Belutti Web Rádio

Acontece!

Ocorreu um erro neste gadget

Ads by Smowtion Media

Redes sociais podem fazer cérebro regredir


A tecnologia está moldando uma geração de crianças incapazes de pensar por si próprias ou apáticas com os outros". Quem faz essa afirmação é a neurocientista Susan Greenfield, pesquisadora da Universidade de Oxford e membro da Câmara dos Lordes, a câmara alta do parlamento do Reino Unido.
Segundo Greenfield, navegar em excesso por
redes sociais, como Facebook, MySpace e Orkut, pode fazer o cérebro regredir, pois a exposição repetida a flashes de imagens em programas de TV, jogos de videogame ou redes sociais pode infantilizar o cérebro, tornando-o similar ao de uma criança pequena, que se atrai por manifestações sonoras e luminosas.
De forma simples, o que a neurocientista prega é que quanto mais uma criança navegar por redes sociais ou jogar os games de PC ou consoles, menos tempo há para a aprendizagem de fatos específicos e para trabalhar a forma como estes elementos se relacionam entre si. "Eles estão destinados a perder a consciência de quem e o que eles são: não alguém, ou qualquer pessoa, mas ninguém", diz.
Greenfield acredita que as mentes das novas gerações estão se desenvolvendo de maneira diferente das de gerações anteriores. "O cérebro", diz ela, "tem plasticidade: é requintadamente maleável, e uma alteração significativa em nosso meio ambiente e comportamento traz conseqüências".
Segundo a neurologista, sua principal preocupação é como os jogos de computador poderiam realçar o que ela chama de "processo" sobre o "conteúdo" - o método sobre o sentido - na atividade mental.
Ela expõe um catálogo de repercussões que levariam o usuário a ter dificuldades de desempenhar tarefas no mundo real, especialmente aquelas que exigem mais tempo de concentração, como um declínio na imaginação linguística e visual; atrofia da
criatividade; e falta dos verbos e das estruturas essenciais para condicionar um pensamento complexo.
Embora não haja provas concretas de que as redes sociais infantilizam seus usuários, Susan Greenfield sustenta que a ciência já provou que o ambiente pode influenciar a maneira como o cérebro funciona e que a tecnologia está influenciando a forma como as pessoas pensam no século 21.
Ocorreu um erro neste gadget