Belutti Web Rádio

Acontece!

Ocorreu um erro neste gadget

Ads by Smowtion Media

Fazer...o que?


Partimos do pressuposto de que você já esteja convencido da importância de fazer backup dos seus dados. PC WORLD volta ao tema com freqüência, por que a segurança dos dados não depende apenas de um bom antivírus ou Internet Security, tomando o cuidado de escolher um antivírus que não seja falso. Entretanto, a segurança online não é a única preocupação que se deve ter com os dados.


Saiba que a segurança física dessas informações é ainda mais importante porque vai depender dela sua capacidade em poder restaurar as informações caso algum problema ocorre, quer seja de ordem física (problemas de hardware) ou não, como bugs lógicos e, por que não, decorrentes de alguma praga virtual que tenha escapado à perspicácia das barreiras de proteção.

A primeira linha de defesa física para as informações que estão no PC é a realização periódica de cópias backup dos dados e vamos nos concentrar em definir o que é imprescindível salvar. Você poderia dizer: mas não é melhor ter cópia de tudo, só por garantia? O raciocínio não está errado, mas implica algumas dificuldades de ordem prática.

Com que freqüência o backup deve ser realizado? Uma regra básica que costuma funcionar muito bem é: usou, faça backup! Mas você pode decidir que as cópias de segurança sigam uma estratégia diferente, de acordo com seu perfil de utilização. Mas você pode decidir fazer o backup diariamente para aqueles usuários que fazem muitas alterações nos dados com freqüência ou semanalmente (suficiente para a maioria dos casos). O importante é definir uma estratégia e segui-la.

Backup do quê?
A etapa seguinte consiste em definir o que backup irá abrangir. Caso decida copir todo o disco rígido, tenha em mente que: a) o tempo necessário para isso pode ser longo demais; b) você pode não ter a mídia necessária para a realização do backup.

Uma boa parcela do está no HD é formada pelo sistema operacional e pelas aplicações que tiver instalado, como a suíte de aplicativos (Microsoft Office ou OpenOffice, por exemplo), editores de vídeos e de imagens e programa de e-mail.


Em uma instalação típica, caso o disco rígido venha a pifar, você sempre poderá reinstalar tais softwares a partir dos discos de instalação que tiver (ou baixá-los da web novamente, usando as licenças de software que você deve sempre ter à mão). Acha pouco? Numa instalação típica, a pasta \Windows pode facilmente ultrapassar 2 gigabytes de capacidade, e a pasta \Arquivos de programas, 1,5GB sem que você tenha nada de mais instalado.





Copie o necessério: algumas pastas de sistema são
enormes e não precisar ser backupeadas sempre

Em vez disso, concentre-se no que de fato é importante para você. No PC que se tem em casa, é muito provável que você dê mais valor aos dados pessoais, o que inclui as suas fotos, a coleção de músicas e de vídeos, além de dados como a declaração de Imposto de Renda dos anos anteriores e suas mensagens eletrônicas. No escritório, toda e qualquer informação relacionada ao seu negócio deve receber a mesma classificação e ter prioridade máxima no assunto cópia de segurança.

Qualquer programa de backup minimamente decente deve estar preparado para ser configurado para fazer cópias do que é realmente importante para o usuário. Mas não custa lembrar, caso você tenha de informar (ou deseje conferir se nada ficou de fora) ao software.





Dados de usuários: nesta pasta estão as informações
que devem ser salvas freqüentemente


No Windows XP, a não ser que você tenha alterado manualmente a localização de qualquer dessas pastas, eles por definição estão localizadas no diretório C:\Documents and Setting\seu_nome_de_usuário e costumam incluir:

Meus documentos
Destop
Configurações locais
Favoritos
Menu iniciar
Cookies
E, no Vista, as pastas importantes estão localizada em C:\Users\seu_nome_de_usuário e trazem, entre outros:

Documentos
Imagens
Desktop
Músicas
Contatos
Vídeos
Dados de aplicativos
Favoritos
Tipo de backup
A primeira cópia de segurança de que se faz dos dados selecionados deve necessariamente copiar todos eles. A partir desta, você tem duas opções, e a quase totalidade dos programas de backup permitem configurá-las para fazer backup totais ou parciais (ou incrementais).

No primeiro caso, todas as informações, mesmo aquelas que não foram alteradas desde que a última cópia, serão backupeadas. As principais desvantagens desse tipo de backup é que o espaço em disco necessário para armazenas tais cópia tende a ser grande e a realização da cópia de segurança leva mais tempo para ser completada. Já o fator positivo é que você vai poderá recuperar a informação que precisa rapidamente; basta descobrir a última data que possui o arquivo desejado e restaurá-lo a partir desta cópia.

Leia também:
> Quatro soluções de backup para PCs que não têm porta USB
> Fique tranqüilo: automatize o backup
> Quem disse que é necessário pagar para fazer backup na web?
> Manter as pastas do Windows organizadas ajuda no backup
> E-mail: faça backup para não se arrepender depois


Há informações óbvias que, apesar disso, merecem ser repetidas à exaustão: o backup deve estar fisicamente separado do computador que está sendo backupeado. Por quê?


Suponha que decida fazer backup em outra partição do HD e este pifar? Há situações em que um HD que deu pau pode ser consertado, mas isso nem sempre é possível. Tenha em mente que enquanto ele estiver fora de combate, seus dados estarão indisponíveis.

Outro caso extremo, mas não impossível: se sua casa ou escritório for invadida e os equipamentos roubados, caso o backup esteja junto as chance de que seja levado junto ou destruído são grandes.

Dito isso, nossa recomendação é usar um HD externo para fazer o backup você mesmo ou então automatizar o backup fazendo a cópia online pela qual nem sempre é preciso pagar. É possível automatizar a rotina de backup para discos rígidos externos e a maioria dos programas de backup assume tal método como padrão, mas essa escolha pode não ser a melhor alternativa.

Por quê? Duas coisas podem ocorrer: você pode esquecer-se de plugar o HD momentos antes de o backup começar (e terá de removê-lo depois, lenvando-o para um local seguro previamente definido) ou, caso escolha manter o drive permanentemente plugado ao PC vai acabar ocorrendo em um erro previamente descrito: manter o backup no mesmo lugar físico que os dados que deveria proteger.

Sob tal ponto de vista, o backup online se coloca como solução perfeita. É automático e mantém a cópia de segurança fisicamente separada dos dados originais. O único (e enorme problema!) é o tempo que leva para ser completado. O primeiro backup costuma levar dias para ser realizado e mesmo a cópias parciais ou complementares também demoram um pouco. Em contrapartida, você poderá continuar trabalhando no PC enquanto o processo é realizado.




Ferramentas complementares: há no mercado bons sofwares
para ajudar na administração do seu backup

Caso opte por fazer o backup em um disco rígido externo e esse não venha acompanhado de um software adequado para esta finalidade, sugerimos que utilize as ferramentas do Windows para o backup ou aindA o Genie-Soft Backup Manager que, por 50 dólares em sua versão home, oferece uma ferramenta de respeito, fácil de configurar e usar. Pela metade desse valor e algumas funcionalidades a menos, também vale a pena pensar no Argentum Backup.
Ocorreu um erro neste gadget