Belutti Web Rádio

Acontece!

Ocorreu um erro neste gadget

Ads by Smowtion Media




Em um momento altamente simbólico na reunião do G8 na Itália, hoje(ontem), o Presidente russo Dmitry Medvedev revelou a repórteres uma moeda que representa uma "unidade da futura moeda mundial".
"Estamos discutindo tanto a utilização de outras moedas nacionais, incluindo o rublo, como moeda de reserva, bem como moedas supranacionais", disse o líder russo em uma conferência de imprensa.
No entanto, aqueles que têm em mente de estabelecer a formulação de uma moeda mundial despedindo-la apenas como uma progressão da DSE's (Direitos de Saque Especiais), e não algo que possa ser utilizado pelos cidadãos fisicamente no mundo um sistema de governo, foram contrariadas quando Medvedev delineou claramente que a nova moeda seria "utilizado para o pagamento" por parte dos cidadãos como um "futuro unido para a moeda mundial".
"Aqui está ela," Medvedev disse aos jornalistas hoje(ontem) em L'Aquila, Itália, após uma cúpula do Grupo das Oito nações. "Você pode vê-la e tocar", relata Bloomberg.
A questão de uma moeda supranacional "agora diz respeito a todos, até mesmo para as Casas das Moedas", disse Medvedev. O teste moeda "significa que estão se preparando. Acho que é um bom sinal de que nós entendemos como nós somos interdependentes. "
Medvedev explicou que a moeda foi cunhada na Bélgica e que ostente a expressão "unidade na diversidade". O relatório RIA Novosti constatou que a moeda representou um exemplo de uma "possível moeda mundial".
China e Rússia têm repetidamente clamando para uma nova moeda mundial para substituir o dólar.
Quando confrontado sobre planos para substituir o dólar por uma nova moeda mundial, tanto presidente do FED (reserva federal), Ben Bernanke e o Secretário do Tesouro, Timothy Geithner negaram que tal agenda existiu.
No entanto, poucos dias depois que ele disse ao Congresso uma audiência que não havia planos para avançar para uma moeda mundial, Geithner procurou agradar aos elitistas do CFR (conselho das relações exteriores), assegurando-lhes que ele era "aberto" à ideia de um novo sistema monetário mundial.
O escândaloso e altamente secreto Banco de Pagamentos Internacionais, considerado o top do eixo do mundo dos bancos centrais, divulgou um documento político em 2006, apelando para o fim das moedas nacionais em favor de um modelo global monetário.
A moeda mundial seria um elemento central de um futuro sistema de governo mundial. No início desta semana, Papa Bento XVI apelou a um "mundo autoridade política" para gerir a economia mundial.


“Este é o símbolo da nossa unidade e do nosso desejo de resolver os problemas em conjunto. (…) Aqui está ela. Podem vê-la e tocá-la”, disse o presidente da Rússia Dmitri Medvedev ao apresentar aos jornalistas a amostra da nova moeda global, durante uma conferência de imprensa em L’Aquila (Itália), após a cimeira das nações que integram o Grupo dos Oito (G8).
A agência russa RIA Novosti apresentou-a como o “exemplo” de “uma possível moeda global”. Por seu turno, a agência financeira norte-americana Bloomberg, referiu que a amostra ostenta a frase “unidade na diversidade”, foi cunhada na Bélgica e apresentada aos líderes do G8 pelo presidente russo durante a cimeira.
Medvedev esclareceu que a nova moeda será usada como meio de pagamento pelos cidadãos de todos os países do mundo e descreveu-a como a “futura moeda única mundial”. “Penso que é um bom sinal de que percebemos a nossa interdependência”, precisou.
As principais economias emergentes do mundo, sob a liderança da China e da Rússia, têm apelado repetidamente nos últimos meses para a necessidade de ser criada uma nova reserva monetária mundial que substitua o dólar e ponha fim à dominância financeira mundial dos Estados Unidos, desde 1944, data da assinatura do acordo de Bretton Woods.
A iniciativa de Medvedev pode ser entendida como um inteligente golpe de relações públicas destinado a dizer às principais potências mundiais que, apesar da sua resistência e cepticismo, os países emergentes, produtores de quase metade do PIB mundial, estão decididos a impor aos países ricos novas regras de governança das finanças globais.
Ocorreu um erro neste gadget